quarta-feira, 26 de março de 2014

de novo, o azul

E de novo o azul me entra pelos sonhos dentro

basta semicerrar o olhar por um momento
e ei-la, a cor do mar, no pensamento


terça-feira, 11 de março de 2014

um poema nunca é só um poema

um poema
de um qualquer poeta
nunca é só um poema

o teu poema
ganha vida própria
quando flui do teu sentir
por todo o teu ser
qual rio de nascente para mar
e pelas pontas dos dedos
se dá a conhecer
em palavras doces
em turbilhões de pensamentos
em terna saudade
em dor, em amor
vontade de fugir
aos grilhões dos lamentos
em palavras ácidas
amargos de alma
ou em chamamentos
de encantador

nunca é só um poema
um poema …

é o que o homem sente
nas palavras do poeta
e um não é sem o outro
e o teu poema
cada um de teus poemas
é um pedaço da tua vida


anjos da guarda, minha companhia

Os meus sonhos são povoados por bruxas más mas é muito maior a quantidade de almas lindas e sorridentes que por ali se passeiam. A música que cada uma destas trauteia faz a minha orquestra e os uivos das peçonhentas ladras da paz poucas vezes sobressaem. Só  quando se chamam pesadelos.

Mas, como dizia eu, há muitos mais diabinhos angelicais  que, nos meus sonhos, me dão a mão e me levam para dançar. A estes, minha companhia,  encomendo o meu sono e recomendo os sonhos, de dia e de noite.


sábado, 8 de março de 2014

dói-me a saudade que te leio

dói-me a saudade
que te leio
magoa-me
que a acalentes
alimentes
procures
olhes atrás

o desejo
que teu grito seja ouvido
é mais forte
que a vontade de ocultar
de mim,  o pesar
que desgosto me traz
porque me dói
a saudade que te leio

domingo, 2 de março de 2014

público especial

Um amigo. Real, virtual ou até mesmo imaginário.
Um amigo; é todo o público necessário para certas pessoas dançarem a graciosidade de que são feitas