sexta-feira, 30 de janeiro de 2015


Embrulhei a lua em papel pardo e no desencantamento ajaneirado,
do pior de mim, me resguardo.


quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

faz de conta


Vai janeiro a meio, o mês em que no desencanto me demoro
Agarro-me a momentos mas os sorrisos esmorecem em desilusões de olhares
Calo pressentimentos, fecho os olhos, faço de conta que aqui não moro


domingo, 4 de janeiro de 2015

nostalgia de ano novo

Votos, desejos, autopromessas ... entusiasmos de ano novo a que agora sou alheia.

Janeiro é um mês duro. Sempre foi, desde que me conheço, e cada vez mais lhe sinto o pendor triste, maior do que o sentimento de renascer.