domingo, 22 de fevereiro de 2015

fingimentos

Tantas vezes finjo que não sei ler
o que não querem que entenda
disfarço assim a mágoa
calo a desilusão
choro depois
o sonho