domingo, 16 de outubro de 2016

São, de todas as cores

São:
como as nossas histórias, tretas e outras conversas
como novelos de lã, trapos e livros que escolhemos
os olhares, os sorrires, os gostares que nos damos
como os sonhos lindos e o mundo todo às avessas
são de todas as cores, são as folhas e flores
que na tua rua escolhi para ti


sábado, 15 de outubro de 2016

de novo

cai.
o verbo é cair

a primavera floresce, o verão chega
.... o outono cai

caem as folhas, as flores, os tons das cores
cai o cabelo, o brilho do olhar, cai a figura
caem ilusões, sonhos de estio, caem amores
cai a noite cedo, cai a chuva e a temperatura

caem deveres, segundas-feiras, caem as horas
cai o pano, o nevoeiro, a escuridão, o coração
caio em mim, caem-me também as palavras
dos pensares à mão caem linhas de emoção

a castanha amadurece, o frio chega
... o outono cai

que o verbo seja agora
colorir.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

saudade simples

hoje a saudade gritou o teu nome
pelas mãos me escorre o lamento
do vazio que agora mora em mim

hoje a minha saudade lembrou-te
no vago frio caído no  teu assento
à mesa, na casa, nesta vida assim

hoje a saudade de ti magoou-me
saber que o sentir desse momento
é deste não estar que não tem fim